_DSC0257

Nada para um campeão!

Quando topam com uma dificuldade pelo caminho, a tendência que segue a maioria das pessoas é a de apenas desistir, mudar os rumos ou ficar por ali, parado em frente ao desafio. Ao contrário disso, o que Milton fez foi seguir em frente, de encontro ao grande muro dos preconceitos e adversidades que um deficiente tem de enfrentar. Tudo para ir atrás de um sonho pessoal que, ele mal sabia, iria mudar também centenas de vidas!

Hoje Miltinho, como é chamado pelos amigos e familiares, está com 51 anos, mas dispõe de uma vivacidade de um eterno jovem! Ele é a definição ideal do que podemos chamar campeão, no sentido literal: coleciona prêmios, medalhas e títulos estaduais e nacionais. A modalidade? Basquete! 431942_452787144814233_1686051196_n É, quem vê o Miltinho assim, nem imagina que ele enfrentou uma fase difícil na vida, quando realmente chegou a pensar em desistir. "As dificuldades que um deficiente como eu enfrenta são grandes, mas alguns anos atrás, nem mesmo transportes adaptados eram comuns. Fazer uma faculdade então, era algo ainda mais complicado", ele explica.   A garra que ele teve, porém, foi mais forte. Ele decidiu que iria enfrentar a situação e mostrar que podia fazer o que quisesse, sim. No começo, o Milton chegou a pensar em fazer natação, mas, quando conheceu o basquete para deficientes, encontrou o que faltava.   Hoje os resultados dessa investida são claros: virou presidente do Gadecamp, o Grupo de Amigos Deficientes e Esportistas de Campinas. Eles, como o Milton, são pessoas com vontade de vencer e que, sem medo de viver, escolheram superar cada obstáculo, seja ele grande ou pequeno.   Aliás, são justamente esses herois da vida real que motivam Milton a prosseguir. Ele, aliás, se vê como uma pessoa privilegiada e dedica seus esforços para mostrar para todos que, assim como ele fez, também podem vencer qualquer desavio.  
"Eu pude aprender a conviver com a minha dificuldade desde cedo, pois tive paralisia infantil com apenas um ano. Já outros atletas que vem aqui acabaram sofrendo algum tipo de acidente de carro ou traumas. Mesmo assim, acredito que o esporte tenha o potencial de resgatar o deficiente para uma vida social novamente. O esporte para deficientes é tão ou mais competitivo que o esporte olímpico!"
  O convite fica: se você ainda nunca assistiu a um jogo de basquete para deficientes, vá a um. A programação pode ser conferida no site do Gadecamp. E, pra atiçar a vontade, fique com um vídeo da instituição. O Miltinho aparece ao final. :)     https://www.youtube.com/watch?v=_HGBuj8ylsY

Deixe uma resposta